domingo, 8 de agosto de 2010

Santa unção e o cair do pano

Companheiro, ficamos por aqui Ponto Ponto final

"I could feel at the time
There was no way of knowing
Fallen leaves in the night
Who can say where they're blowing
As free as the wind
Hopefully learning
Why the sea on the tide
Has no way of turning

More than this - you know there is nothing
More than this - tell me one thing
More than this - oooh, there's nothing

It was fun for a while
There was no way of knowing
Like a dream in the night
Who can say where we're going
No care in the world
Maybe I'm learning
Why the sea on the tide
Has no way of turning

More than this - you know there is nothing
More than this - tell me one thing
More than this - no, there's nothing

More than this - nothing
More than this
More than this - nothing"

'More Than This', Roxy Music

domingo, 13 de junho de 2010

segunda-feira, 7 de junho de 2010

Cinco e Dois

Tentamos tentamos. Tentamos conseguir melhor e o melhor. Tentamos tentamos. Mais. Todos os dissabores do Mundo espreitam à encruzilhada de cada troço. Tentamos. Melhor. A recusa de fintar o destino. Afinal somos nós que edificamos o que vem. Melhor pior. Tentamos. Os sorrisos abertos, as palpitações do músculo cardíaco, os dias de Sol, as noites de Lua cheia. Tentemos. Só assim se pode alcançar a. Melhor, evidentemente.

"Can I get your hand to write on
Just a piece of leg to bite on
What a night to fly my kite on 
Do you want to flash a light on 
Take a look its on display - for you 
Coming down no not today 

Did you meet your fortune teller 
Get it off with no propellor 
Do it up it's on with Stella 
What a way to finally smell her 
Pick it up but not too strong - for you 
Take a piece and pass it on 

Fly away on my Zephyr 
I feel it more than ever 
And in this perfect weather 
We'll find a place together
Fly on my wind

Rebel and a liberator
Find a way to be a skater
Rev it up to levitate her 
Super friendly aviator 
Take a look its on display - for you 
Coming down no not today 

Fly away on my Zephyr 
I feel it more than ever 
And in this perfect weather 
We'll find a place together 

In the water where I center my emotion 
All the world can pass me by 
Fly away on my Zephyr 
We'll find a place together 

Whoa whoa whoa whoa whoa whoa - do you 
Yeah yeah yeah yeah yeah yeah 
Whoa whoa whoa whoa whoa whoa - won't you 
Yeah yeah yeah yeah yeah yeah 

Fly away on my Zephyr 
I feel it more than ever 
And in this perfect weather 
We'll find a place together 

In the water where I center my emotion 
All the world can pass me by 
Fly away on my Zephyr 
We're gonna live forever


'The Zephyr Song', Red Hot Chili Peppers

sábado, 29 de maio de 2010

Constatações fortuitas

Observo que a Lua está cheia. Todavia, desconheço por onde pára.

sketch of the model, edvard munch

"My therapist said not to see you no more
She said you're like a disease without any cure
She said I'm so obsessed that I'm becoming a bore, oh no
Ah, you think you're so pretty"

'Laid', James

domingo, 23 de maio de 2010

Sms 2

Shhh!, não acordes. Sabes que... Pois sabes.

"Little sister don't you worry about a thing today
Take the heat from the sun
Little sister
I know that everything is not ok
But you're like honey on my tongue

True love never can be rent
But only true love can keep beauty innocent"

'A Man and a Woman', U2

quinta-feira, 20 de maio de 2010

Já dormia...

O cansaço é de tal ordem que se me obrigo a mais uma ida a qualquer seminário, conferência ou workshop, suicido alguém, pois que sou demasiado cobardolas para o aplicar em mim mesmo. Pior é que não se limita ao físico, que se arrasta por uma indiferença apática. E tanto ainda por fazer num futuro demasiado - excessivamente - próximo.

Bom e já que estou num flow de revivalismo da ida adolescência, insisto um pouco mais nos Faith no More:

"Turn me up

Now I gotta murder da' murder ta' get away
The eyes gotta peer now the fool's gotta pay
And if they pay then they pay with they life
So watch another man try to hold on to his life

Cause' I keep lookin' and huntin' just like a lion
Let the sucka' know that it's them that be dyin'
I show no remorse to the source of the tales
And if they tell then the hungry better battle

Aw I keep it comin' and comin' across the table
And if I miss, I never miss, cuz Im able
I'm lookin' forward and I'm lookin' over my shoulder
And I'll make a simple sin to make the bonus
But I'll never bless the rest, so never cease
I'll do a motherfucker with this restin' piece
Cause' what they saw they never seen or even heard of
And if they live, it's just another body murdered...
...another body murdered...

I'm makin' deals for deals that make a kill
And anyone looking gonna' get that ass killed
I'm livin' like a criminal and criminal I be
And I'm respected in the hood like a 'G'
But if they think I'm blasted then they gone
I'm takin' off they're head with a motherfuckin' chrome
I gotta pay the play the pay ta' get crooked
And I ain't 'Boo' til' I dump another fool
I see the fool runnin' and runnin' but where they goin'?
Had to witness my murder now they knowin'
What they blast so blast so at the pad
I'll have the thing fixed... My life was goin' in a flash...
If I went to say
that'd be my ass
Searching for these fools while stepping cross the squares
Cause they can't hide and hide and that's real
And what you just witnessed with your eyes got ta' kill...
....another body murdered...

Bang your head to this... Turn me up! ...another body murdered

... Faith No More...
I had to get it together to watch a body get murdered, ehh...
Boo-Yaa T.R.I.B.E...

I have to get it together to watch a body get murdered

Bang your head... come on... Bang your head...
...Bang your head... ...Bang you head to this...

I see a fool an' I try an' test the fool
I testify that the fool will have to lose
Boo-Yaa T.R.I.B.E. gotta keep it low
Cause the brother that was shot with my motherfuckin Uz. ooooh...
As I bail with my head up
Round they crowd someone kicks my luck and then I get up
All these busters on my trail
Well they get where I'm at, but the fail cause' they can't bail
I keep bailin' I been stickin' my shit ever since they've had me jailed in
But it ain't all about servin' time...
It's about breakin' down the verd(ict) and servin' mine...

Another pass or passive
You wanta' play it by the Ridd did the king start blastin'
All these fools goin' up they sigh
They try to test mine
They never get to know why
Oooh how long can you live when a gangster like the Ridd keep smokin' that ass....

Bang your head to this...

Turn me up... I had to get it together to watch a body get murdered. ehh
Faith No More... I had to get it together to watch a body get murdered
Boo-Yaa T.R.I.B.E... Murder well I won..."

'Another Body Murdered', Faith no More feat. Boo-Yaa T.R.I.B.E.


(O raio da letra é comprida que se farta... nem precisava de ter escrito nada...)

quarta-feira, 19 de maio de 2010


Tão desorganizado. Há vezes em que cogito se não viverei numa vida a part-time.

"Go on and wring my neck
Like when a rag gets wet
A little discipline 
For my pet genius
My head is like lettuce
Go on dig your thumbs in
I cannot stop giving in
I'm thirty-something

Sense of security
Like pockets jingling
Midlife crisis
Suck ingenuity
Down through the family tree

You're perfect, yes, it's true
But without me you're only you (you're only you)
Your menstruating heart
It ain't bleedin' enough for two

What an inheritance
The salt and the kleenex
Morbid self attention
Bending my pinky back
A little discipline
A donor by habit
A little discipline
Rent an opinion

Sense of security
Holding blunt instrument
Midlife Crisis
I'm a perfectionist
And perfect is a skinned knee

You're perfect, yes, it's true
But without me you're only you (you're only you)
Your menstruating heart
It ain't bleedin' enough for two 

yeah, yeah, yeah, yeah

It's a midlife crisis...
It's a midlife crisis..."

'Midlife Crisis', Faith no More


quarta-feira, 12 de maio de 2010

Altercações de ar

Amanhã sigo para o Porto. Dois dias, apenas. Não levo saudades de Lisboa.

"If hospital cure
Then prisons must bring their pain
Do not be ashamed to slaughter
The centre of humanity is cruelty
There is never redemption
Any fool can regret yesterday"

'Archives of Pain', Manic Street Preachers

segunda-feira, 10 de maio de 2010

Cada um é como é. Somos diferentes. Porém, com tanto em comum.

"You have a winning way, so keep it
Your future, your future, your future...

You are an angel heading for a land of sunshine
And fortune is smiling upon you

Prepare for a series of a comfortable miracles
From fasting to feasting
And life to you is a dashing, bold adventure
So sing, and rejoice, sing, and rejoice

And look for the dream that keeps coming back
Your future, your future, your future...
Pat yourself on the back and give yourself a handshake
'cause everything is not yet lost...

Does life seem worthwhile to you?

Does life seem worthwhile to you?

Here's how to order!

Yes, hmm hmm, now for the next question
Does emotional music have quite an effect on you?

Do you feel like sometimes age is against you?
Sing and rejoice and sing and rejoice

Yes, hmm hmm, that's interesting
But tell me, do you often sing or whistle just for fun?

Do you feel like sometimes age is against you?
I, I can help - I can help you - I can help you help yourself!

Does life seem worthwhile to you?

Does life seem worthwhile to you?

Here's how to order!


'Land of Sunshine', Faith no More

sábado, 8 de maio de 2010

Entre o trabalho e a praia...

É pá, mas será que o bom tempo não se decide a ficar? Há muitas idas a Carcavelos por realizar e já estou farto de as fazer com o céu a tez cinzenta e com o frio a cortar por entre agasalhos.

"À la plage nous observons souvent les attitudes ou, quand nous n'y parcipons pas, les jeux des autres, déchiffrant ainsi les signes du plaisir qu'ils communiquent."

'Sur la Plage', Jean-Didier Urbain

quarta-feira, 5 de maio de 2010

Pseudo Antónimos

O querer tudo e o nada querer são sinónimos.

"Can you feel it ,see it, hear it today? 
If you can't, then it doesn't matter anyway 
You will never understand it 'cause it happens too fast 
And it feels so good, it's like walking on glass 
It's so cool, it's so hip, it's alright 
It's so groovy, it's outta sight 
You can touch it, smell it, taste it so sweet 
But it makes no difference 'cause it knocks you off your feet 
You want it all but you can't have it 
It's cryin', bleedin', lying on the floor 
So you lay down on it and you do it some more 
You've got to share it, so you dare it 
Then you bare it and you tear it 
You want it all but you can't have it 
It's in your face but you can't grab it 
It's alive, afraid, a lie, a sin 
It's magit, it's tragic, it's a loss, it's a win 
It's dark, it's moist, it's a bitter pain 
It's sad it happened and it's a shame 
You want it all but you can't have it 
It's in your face but you can't grab it 
What is it? 
It's it 
What is it?..."

'Epic', Faith no More

segunda-feira, 3 de maio de 2010

Tombado ao esquecimento

Consegui aprender a erguer um belo número de defesas. Esqueci-me, todavia, de defender-me de mim.

"um modelo é essencialmente um procedimento heurístico que serve para demolir uma interpretação inadequada e abrir o caminho a uma interpretação nova e mais adequada."

'Teoria da Interpretação', Paul Ricoeur

sábado, 1 de maio de 2010

Ponto de vista

Nem sempre se deve ser apologista do pessimismo; nem antagonista do remanescente.

"É a ti que vejo porque não consigo deixar de te pensar."

'Fazes-me Falta', Inês Pedrosa

Post Scriptum: Hoje a Lua está cheia. Vou dormir.

terça-feira, 27 de abril de 2010


Amargura sabe mal na boca porque primeiro reprovada no cérebro.

"-Há cerca de dois anos conheci uma rapariga e fiz asneira da grossa, gostei mesmo dela."

'Olhos nos Olhos', Júlio Machado Vaz

segunda-feira, 26 de abril de 2010


A loucura é uma prostituta de rua. Uma rameira barata, que se vende por escassos tostões. Informei-a de que tinha um papel do médico. Uma prescrição de poções mágicas à prova dela, da loucura. Todavia, derrotou-me. Ainda bem.

"This bed is on fire
With passionate love
The neighbors complain about the noises above
But she only comes when she's on top

My therapist said not to see you no more
She said you're like a disease without any cure
She said I'm so obsessed that I'm becoming a bore, oh no
Ah, you think you're so pretty

Caught your hand inside a till
Slammed your fingers against the door
Fought with kitchen knives and skewers
Dressed me up in women's clothes
Messed around with gender roles
Dye my eyes and call me pretty

Moved out of the house, so you moved next door
I locked you out, you cut a hole in the wall
I found you're sleeping next to me, I thought I was alone
You're driving me crazy, when you're coming home

'Laid', James

Caminhar no fio da navalha

Queres partir, mas os teus sentimentos são cordão umbilical que te prendem. Todo o ser humano precisa do seu amputado para poder prosseguir a sua vida.

"Remember in this game we call life
That no one said it's fair"

'Breakdown', Guns n' Roses

domingo, 25 de abril de 2010

Os cravos também têm espinhos

No dia da 'liberdade', um pensamento agrilhoado. Há vontades que não se podem realizar.

"As vivências terríveis fazem-nos pensar se o seu protagonista não é, ele próprio, algo de terrível."

'Para Além de Bem e Mal', Friedrich Nietzsche

sexta-feira, 16 de abril de 2010

Quem escuta nem sempre ouve

Nada tem de invulgar que o silêncio assuste, mesmo quando sobejamente enleado por uma panóplia de sons diversos e até, porque não, gritantes ou estridentes. O silêncio não se sente perturbado por sons que em nada lhe dizem respeito, permanecendo, firme, na sua altivez. O silêncio que construímos impele-se mais alto do que qualquer ruído que se lhe atravesse. Nestes moldes, o silêncio não é de ouro; nem de prata; nem mesmo de latão. Este silêncio é absoluto, de um absolutismo rude e empertigado, silencia inclusivamente os gritos que do interior das entranhas querem explodir em todo o redor do mundo. Este silêncio é perverso. Perverso e tão perverso ao ponto de nos compelir a não escutar as nossas próprias cogitações. É um silêncio que enrijece o músculo cardíaco, tornando tenebrosa a mais cândida alma sem vacilar à contrição.

Com a sua solidão e obscurecendo o espírito avilta a nossa condição humana. Derruba. Degrada. Consome. E se este círculo não se vir inexoravelmente quebrado, por obra exequível apenas pelos homens, então consumirá sem piedade até que por fim se extinga a sua chama aniquiladora, deixando por rasto tão somente terra queimada e solo estéril.

O encantamento provindo da acção de um ser humano dissipará, assim o desejando e assim agindo, o silêncio arguto e perverso. Quanto a esta asserção, não me paira qualquer dúvida, nenhum será, nenhum como; convicção de que quem fala sabe do que fala.

É momento para agora abandonar as palavras, de estancar a fluidez da escrita: o silêncio é pesado.

"Sem comunicação não existem relações humanas nem vida humana propriamente dita."

'A Improbabilidade da Comunicação', Niklas Luhmann

Perfídias Nocturnas e Insinuações Sobre o Tempo...

Tempo manhoso. É de desconfiar quando o tempo, a um só tempo, tanto voa como, pesado, custa a passar. É de desconfiar de tal tempo manhoso. Pelo tempo que o tempo tem coleccionou mais manhas que o homem mais vivido ou que, dessa forma, se assuma. E o que o tempo tem oferece e retira sem piedade, consoante a disposição com que o tempo tenha despertado. E passa. Célere, como o sopro de uma bala rente ao ouvido. Preguiçoso, mastigando-se a si próprio num impropério ruminante. O tempo é que sabe. O tempo só a si pertence. Nós por ele limitamo-nos a passar: numa vida mais intensa, num quotidiano de melancólica morosidade. Só o tempo não ri nem chora. Já viu tudo. As belas histórias que pensamos inventar viu-as ele vezes sem conta. Por isso não ri nem chora.
O tempo é uma dádiva e uma maldição. Estava antes de nós, não findará connosco. Dádiva. Há que aproveitá-lo. Maldição. Então que o desperdicemos. Ou não. Cada vontade fará com o tempo o que bem lhe aprouver, conquanto não se arrogue de alguma vez vir a usufruir do tempo que só o tempo tem. Melodias, sussurra-nos em segredo esse tempo que a si se tem todo. E embalados, embevecidos, passamos pelas brasas enquanto a seiva da vida se nos esgota no tempo. Outras circunstâncias encarregam-se de que o nosso ensejo batalhe para que o tempo em vida se esgote mais rápido. Com o tempo nada podemos fazer, nada lhe podemos ganhar. Resta-nos tão somente, no seio do tempo de vida que nos foi consagrado, escolher; escolher o que fazer com o nosso tempo...

"You must remember this
A kiss is just a kiss, a sigh is just a sigh.
The fundamental things apply
As time goes by

And when two lovers woo
They still say, «I love you»
On that you can rely
No matter what the future brings
As time goes by
Moonlight and love songs
Never out of date
Hearts full of passion
Jealousy and hate
Woman needs man
And man must have his mate
That no one can deny

It's still the same old story
A fight for love and glory
A case of do or die
The world will always welcome lovers
As time goes by
Oh yes, the world will always welcome lovers
As time goes by"

'As Time Goes By', OST Casablanca

quarta-feira, 14 de abril de 2010


São as abstracções incongruentes na vida real que me fazem sentir irreal.

"O recalcamento cria a angústia."
'Psicologia Patológica', Jean Bergeret (dir.)

quinta-feira, 8 de abril de 2010

Intrigas de faca e alguidar

Sem palavras doutrém nem imagens de suporte.
O meu, se é a que a isso se pode chamar, coração só mudou há menos de meia dúzia de anos. Se estou arrependido? Não. Congratulo-me. Afinal, encontrei o que jamais ousara encontrar. Não foi mudança operada a estilo solitário. Isso já eu afiançara. Muito mais que isso, para além desse limite limitado. Operou-se uma transformação em que tanto sou preciso como, por outro turno, me sinto ávido de outrém. Assim estou melhor. Mais contente. Feliz. Porque não radiante, assira-se, com o que consegui sem ser justamente apenas por mote próprio?
Todos precisamos de alguém. Alguém que não todos. A escolha fi-la e, indubitavelmente, ela a mim. Sereno, é como me sinto agora. Preenchido, sem abstinência nem excesso que transborde. Feliz, porquanto... Basta de palavras que 'babam', por mais que muitas delas, sendo honestas, nunca se inscrevam nesse registo.

quarta-feira, 7 de abril de 2010

Meio Século de aninhos

Caminhar sozinho as estradas da vida é tarefa ingrata e pouco apetecível para a maior parte dos homens e das mulheres. Por isso se terá constituído primeiramente a sociedade, com o intuito que alcançar objectivos que por si só um ser isolado se veria manifestamente incapacitado de concretizar. Porém, a sociedade tornou-se ela própria aos poucos excessivamente lata para o desígnio da vontade individual. Nas nossas sociedades, nas sociedades ocidentais, o par, entendido como o casal, tornou-se o primeiro elemento de charneira entre a solidão extrema e a agregação orgânica que dissolve a identidade pessoal; é importante que não nos percamos, tanto quanto o é nos sentirmos dotados das nossas faculdades intrínsecas e por elas reconhecidos no meio da multidão.
Hoje vivemos dias semelhantes, onde o indivíduo se quer reconhecido sem que deixe de participar de um conjunto como que transcendental que ocorre no terreno e no plano do profano. Um dos laços que nos identifica, particularizando-nos, e que nos une, num sentimento de pertença adstritos normas e valores grupais, é inevitavelmente a família de onde provimos. Depois o grupo de pares. Mais tarde, após o grito de Ipiranga, recolocamos o sentido ao sentido. Por fim queremos ser não só um eu como também um nós. E assim se reproduz indivíduo e sociedade, com uma mediação cuja importância nunca deixará de ser central: o nós; o nós de duas identidades que unas respondem a uma só voz, sem deixar de respeitar as (distintas e aproximadas) vozes que enformam essa mesma uma só voz.
É este nós, não mera soma de duas vozes mas comunhão participada das mesmas, que hoje exalto. Os trajectos e os caminhos não serão abertos nem desbravados por um indivíduo ou por uma sociedade sem rosto próprio; somos nós que com duas vozes nos fazemos ouvir a uma só voz. Assim percorremos o incerto, talvez ao sabor tanto do acaso como de algum determinismo, ombro a ombro, gémeos puros sem cisão alguma que rompesse a união inicial. E se assim caminham ombro a ombro sem distância que os separe, é porque assim entenderam e o elo que os mantém vai muito para além da mera carne.
Também hoje não me esqueci, obviamente.

Apenas amamos aquilo que não possuímos por completo.”, ‘Em Busca do Tempo Perdido, vol. 5’, Marcel Proust

quinta-feira, 1 de abril de 2010


A Lua testemunhou-te. Viu-te surgir e, encantada, fervilhou na sua branca luz e sorriu-te terna e plácida. Inauguraste um novo calendário; hoje orgulho-me que ele me abrace, respondendo a uma vontade nossa, a uma vontade que é tua. Voltarei a vir cá, exaltando o dia que é teu. Sabes, hoje brilhou uma nova estrela no firmamento; nascida a propósito.

"Como podria ser verdad

Last night I dreamt of san pedro
Just like I'd never gone, I knew the song
A young girl with eyes like the desert
It all seems like yesterday, not far away

Tropical the island breeze
All of nature wild and free
This is where I long to be
La isla bonita

And when the samba played
The sun would set so high
Ring through my ears and sting my eyes
Your Spanish lullaby

I fell in love with San Pedro
Warm wind carried on the sea, he called to me
Te dijo te amo
I prayed that the days would last
They went so fast


I want to be where the sun warms the sky
When it's time for siesta you can watch them go by
Beautiful faces, no cares in this world
Where a girl loves a boy, and a boy loves a girl

Last night I dreamt of San Pedro
It all seems like yesterday, not far away


Te dijo te amo
El dijo que te ama

Pa-pa-la-pa-pa pa-pa-pa-pahaaa
Aha, aha-ahaaa
La isla bonita
Ahaa, aha-ahaaa..."

'La Isla Bonita', Madonna

terça-feira, 30 de março de 2010

Arte nem sempre se ensina

Três horas e mais depois da meia-noite. Novo dia, portanto. Estou eu e o meu portátil apenas, como que fazendo companhia um ao outro, prestando cada um, e de sua forma peculiar, o seu ombro. Uma máquina e uma pessoa não é coisa que se diga (por ora) poder-se compatibilizar. É nesse sentido de opinião que assim sugere que eu tecle e tu repliques o que te foi comandado. Não terás vida de mote próprio, segues os passos que, não gosto desta sentença, te ordenam seguir. Contudo, e não pela primeira vez, não então novidade, pareces ser tu quem puxa pelas minhas mãos em direcção a cada tecla, a cada tecla certeira que, batendo uma a uma, compõem o texto assim acertado. Sentirá a máquina o pulsar do nosso coração? Creio ser demasiado prematuro asserir tamanha façanha. Mas todos nos influenciamos; e o meio ambiente, ainda que não vivo na nossa acepção do conceito, também ele desempenha o seu papel, a meu ver fundamental, no desenrolar dessa sobrecitada influência.
Passo as mãos no meu cabelo com os dedos imitando o formato de um pente. Não. Hoje nem tudo está bem. Algum equilíbrio, por muito desequilibrado que eu seja, se vê quebrado pela ausência de quem me despenteando me apruma melhor do que eu mesmo. É-se como que engolido por uma proximidade que aparta e, em simultâneo, é como se a distância se quisesse ver ignorada e até mesmo esquecida porque apenas fortuita e circunstancial. Explicar é o truque mais burilado. Saber, tantas vezes o sei, passe a redundância, é mais fácil. Como to dizer de forma descomplicada e inteligível? Fácil, não obstante as complicações que acarreta. Seria necessária uma habilidade tremenda para conseguirmos escapar de nós próprios, particularmente quando temos aquela vozinha permanente, que nada mais é que a nossa consciência ou reflexo do nosso estado de tal coisa, pelo que se torna fácil de entender que saber algo é infinitamente menos complexo do que o transmitir com o menor ruído possível a outrem. Esta é uma explicação básica, mas que me parece soberana. Escusassem as vossas expectativas de cuidar por mais, pois o bafejo do genial nunca me abordou e menos ainda me chegou a tocar. É só assim, de forma incauta e inacabada, que te posso explicar aquilo que os milhões de neurónios têm ou detêm a seu bel prazer. Serei, pois então, um fraco comunicador. Como os demais, aliás. Mas é somente por meio de uma fórmula, cuja génese desconheço, que tão pouco explico o que tanto digo saber. Talvez já o tenha dito da forma mais correcta, ou pelo menos a mais perceptível através dos medíocres meios de comunicação (para o exterior) de que dispomos: «passo as mãos no meu cabelo (…) de quem despenteando melhor do me apruma melhor do que.» Não creio que as parábolas melhorem os nossos cingidos meios de comunicação. Nem mesmo a metáfora, mesmo que a mais simples e a que tanto se insinua.
Como vês, ao querer explicar-te o que sei baralhei-me mais do que baralhado está um novelo de mil meadas. Custa-me aflorar ao teu ouvido para que este oiça banalidades de que está cansado; farto? Por isso escolhi outra forma de me exprimir, contando, porque o sei e não me solicites que to explique, que me irás entender. Havemos, se céus existem, de colher os nossos frutos. E que não o seja de forma singular defronte a rostos que, por ventura, nem sequer conhecemos e muito menos ainda reconhecemos. Que o seja em comunhão, em práticas quotidianas e outras que não, reconhecendo os nossos rostos defronte dos espelhos que o mundo faz existir para que todos nos possamos reconhecer na imagem retornada. Lembrei-me de uma música que não aprecio em particular mas que escrita por outras bandas me relembra o sentido do que faz real e efectivamente sentido. Não te expliques também. Eu sei o que queres com as tuas palavras. Definitivamente, há ocasiões em que o silêncio é de ouro. Sei o que dizes, sei o que quero dizer, por mais árdua que fosse a tarefa de explicar a riqueza do nosso conhecimento.

"Do you hear me?
I'm talking to you
Across the water
Across the deep blue ocean
Under the open sky
Oh my, baby I'm trying

Boy I hear you in my dreams
I feel your whisper across the sea
I keep you with me in my heart
You make it easier when life gets hard

Lucky I'm in love with my best friend
Lucky to have been where I have been
Lucky to be coming home again

They don't know how long it takes
Waiting for a love like this
Every time we say goodbye
I wish we had one more kiss
I'll wait for you, I promise you I will

Lucky I'm in love with my best friend
Lucky to have been where I have been
Lucky to be coming home again
Lucky we're in love in every way
Lucky to have stayed where we have stayed
Lucky to be coming home someday

And so I'm sailing through the sea
To an island where we'll meet
You'll hear the music fill the air
I'll put a flower in your hair

Though the breezes through the trees
Move so pretty, you're all I see
As the world keeps spinning round
You hold me right here right now

Lucky I'm in love with my best friend
Lucky to have been where I have been
Lucky to be coming home again
Lucky we're in love in every way
Lucky to have stayed where we have stayed
Lucky to be coming home someday"

'Lucky', Jason Mraz

domingo, 7 de março de 2010

Forty. Plus nine.

Mesmo nos dias de Inverno há uma acendalha que espevita a fogueira.

"Neste caso, por bem, entendo qualquer alegria e tudo o que a provoca (...) Por mal, entendo qualquer espécie de tristeza.", Espinosa

quinta-feira, 7 de janeiro de 2010

Sopro 47

A erosão do tempo nem sempre se manifesta. Acontece todavia que é a experiência do seu antónimo que está presente. Tão presente, nestes quotidianos vividos.

"Com efeito, o comportamento humano normal manifesta uma continuidade de emoções induzida por uma continuidade de pensamentos."

'O Sentimento de Si', António Damásio